“Tratar um desequilíbrio emocional é difícil e eu não me apetece ir ao fundo do poço ainda”, foram algumas das palavras de Paula Neves, 41 anos.

Numa entrevista emotiva a Fátima Lopes, no programa Conta-me Como És, a actriz falou  sobre a sua vida pessoal e da instabilidade emocional.

Paula Neves confessa que o marido conhece o seu melhor e pior lado:  «O meu marido leva com os dois lados, o doce e o bicho. Acho que sou querida para os outros, porque a maior parte das vezes eu escondo o bicho. Quando ele está cá fora, ou estou a tomar ansióliticos ou estou fechada em casa, porque não é um bicho sociável que possa estar com muita gente à volta, então protejo-me», diz Paula Neves.

«Assim que acordo percebo logo como me sinto, tomo um ansiólitico e fico afinadinha, é uma beleza. Quando estou a trabalhar é mais difícil de controlar, não quero estar sempre a tomar compridos, tento calar-me mais e ele vai embora sozinho. Eu tenho uma bolha de manhã, em que estou calada e ele vai embora sozinha. Este bicho vem de um desequilibro emocional», confessa.

«Sempre achei que fazia parte de mim e que é uma das minhas ferramentas enquanto atriz, um acesso a uma bagagem emocional que está muito disponível. Ir tratar um desequilíbrio emocional é um compromisso difícil e eu não me apetece ir ao fundo do poço ainda», revelou a Fátima Lopes.

Quanto a namorados, a actriz confessa que «Sempre tive namorado, sempre fui muito namoradeira, mas oito meses era o máximo de relação. Tive uma muito importante, na altura que o meu padrasto morreu, dos 16 aos 18. Mas esses dois anos mostraram-me que e aquela estabilidade não era para mim e que ia andar numa montanha russa», conta.

Ao falar do marido, Paula admite que «Quando encontrei o Ricardo, e a família dele, agarrei-me como uma lapa. Encontrei mesmo um companheiro. Alguém que me deixa ser quem eu sou e gosta. Nos momentos mais difíceis da vida é quando estamos mais unidos e próximos. Quando há coisas importantes na vida seja de alegria ou drama é aí que estamos mais unidos do que nunca. Não fazemos por isso, é assim naturalmente».

A actriz falou também de um tema delicado que é a infertilidade: «Passar por uma situação de infertilidade é uma prova de fogo para um casal, seja lidar com o não ‘vamos ter filhos’ ou vamos ‘ver tudo o que o mundo da infertilidade tem para nos oferecer’. Nenhum destes passeios é fácil de dar. Cada um destes barcos é pores-te num dia de tempestade num sítio de ondas gigantes».

Para o casal: «Fazia sentido termos filhos, há 10 anos começamos a tentar, era natural. Não vieram, começou a ser estranho não virem. Ficámos num limbo, de ser estranho ou de irmos procurar ajuda. Começamos a pensar na idade, até que fomos procurar e ver o que se passava. Entrámos no mundo da infertilidade, nenhum dos dois aguentou, e percebemos que não era para nós, nem para um nem para o outro. Saímos de lá. Sem filhos, juntos até ao fim. É um mundo de tal modo complicado que o desejo de ser mãe tem de estar mais alto do que o sofrimento que se vai encontrar ali. E, no nosso caso não estava», confessou.

Partilha
Loading...