O antropólogo e investigador José Pereira Bastos não tem dúvidas ao afirmar que “Portugal deveria pedir desculpa aos ciganos”.

Ele defendeu que Portugal deveria pedir desculpa aos ciganos e resolver o problema da habitação, revelando que não adianta de nada haver um dia nacional do cigano.

José Pereira Bastos é da opinião que “não adianta nem atrasa” para os cerca de 85% de portugueses com preconceitos contra os ciganos, “só piora”.

“Para as pessoas que não têm preconceito não melhora nada”, disse o cofundador do Núcleo de Estudos Ciganos do Centro de Estudos de Migrações e Minorias Étnicas.

José Pereira Bastos considera “tudo isso uma fraude” já que “nunca ninguém pegou, nem ninguém pega nesta questão”, revelando que em Portugal os ciganos “são aquilo que em psicanálise se chama o ‘mau objeto’”.

O antropólogo não tem dúvidas em afirmar que “o único racismo português é dirigido ostensivamente e totalmente aos ciganos”.

Pela forma como os ciganos têm vindo a ser tratados em Portugal o investigador afirma que “O que falta é pedir desculpa aos ciganos por razões históricas”, defendeu.

Pereira Bastos afirmou que o “problema da habitação é gravíssimo”, sublinhando que o que não falta no país são casas vazias, principalmente em Lisboa.

“Assegurar condições humanas de habitação parece-me o ‘bê-a-bá’. Se não querem falar dos ciganos então façam uma lei que proíba a habitação para todas as pessoas que querem habitação e não a têm e não falem dos ciganos”, desafiou.

Quanto à educação, diz que é importante, para além de todas as medidas de promoção e incentivo à frequência escolar que no fim da linha haja empregos para estas pessoas, sob pena de continuarem dependentes da venda ambulante.

Partilha