Em pleno estado de emergência, a Ordem dos Médicos faz aviso à população sobre um agravamento da pandemia nas próximas semanas e a necessidade de manter medidas preventivas. 

O Gabinete de Crise para a Covid-19 da Ordem dos Médicos (OM) revela que “neste momento de crescente atividade pandémica e de imperiosa coesão nacional no combate ao inimigo comum, a total concordância”.

Para a OM “Só a intervenção a montante na interrupção das cadeias de transmissão pode precaver e impedir a rutura do Sistema Nacional de Saúde (SNS)”.

O combate à pandemia depende de todos, e cada um, sendo “essencial” cumprir as medidas de proteção.

O bastonário reitera a necessidade de contratação urgente de médicos e demais profissionais de saúde, enaltecendo ainda o envolvimento e a “colaboração indispensável” das Forças Armadas Portuguesas nesta situação de emergência nacional “que deveria ter sido antecipada e ativada mais precocemente”.

A necessidade de uma gestão articulada e comum, a nível nacional, de recursos humanos e de internamento hospitalar disponíveis, na atual fase da pandemia, é também defendido no comunicado.