A manifestação em Lisboa contra o uso obrigatório de máscara foi feita sem distanciamento físico. Os manifestantes contestaram as medidas impostas pelo Governo para mitigar os efeitos da pandemia de Covid-19.

“Não é uma questão de ser contra a utilização das máscaras, é ser contra as medidas que, na maior parte dos casos, são completamente descabidas, porque não têm eficácia”, afirmou Gonçalo Martins, um dos responsáveis pela organização da manifestação. Sem máscaras e sem distanciamento social, os manifestantes empunharam vários cartazes, que diziam, entre outros, “Abaixo a ditadura”, “Máscaras geram desconfiança”, “Promovam saúde em vez de medo” ou “O medo não é a vacina”, enquanto se realizavam discursos num palco montado para o efeito.

No manifesto divulgado, o grupo “Verdade Inconveniente” pede, além do “uso facultativo de máscaras”, a revisão das “orientações para o ano escolar” e do “excesso de protecionismo nos lares e centros de acolhimento”, bem como a “regularização dos serviços no Sistema Nacional de Saúde” e a “revogação do estado de calamidade”, entre outras medidas.