Foram gastos mais de 200 mil/mês em hospitais que não existem! O ministério diz que havia recursos humanos e materiais para tratar, mas o Presidente de Cascais diz que houve engano porque os hospitais estavam vazios tanto de pessoal como de material…

Estão a gastar-se cerca de 200 mil euros por mês com remunerações e a manutenção de dois hospitais que estão fechados há oito meses, no concelho de Cascais.

Ao Negócios, o Ministério da Saúde explicou que “apesar não realizar atividade assistencial, existe toda a atividade de encerramento de contas, gestão de recursos humanos e de património que obriga, por algum tempo, à manutenção da estrutura, tanto de direito como de facto”.

Ao “DN”, o presidente da Câmara de Cascais já tinha dito que a extinção do hospital Conde Castro Guimarães, que consta no Orçamento do Estado para 2011, “deve ser um lapso”. “Qualquer dos dois edifícios estão vazios.

Todo o profissional foi absorvido pelo novo hospital de Cascais e não tem ninguém lá a trabalhar. Aliás, todo o equipamento que lá estava foi doado para a Guiné e para instituições nacionais de solidariedade social, como a Cruz Vermelha e Misericórdia”, disse.

A esta altura ainda se mantém a situação de pagar aos funcionários do hospital fantasma.“Hospital fechado também tem médicos a receber salário.

“O antigo Hospital de Cascais está desactivado desde Fevereiro de 2010, após ter sido substituído por um novo, mas não só continua a ter um conselho de administração de dois elementos no activo como ficou com 16 médicos e técnicos de diagnóstico e terapêutica que o grupo privado que o substituiu não quis e que continuaram a ser remunerados sem exercerem funções.

Partilha