120 mil euros foram desviados pelo candidato do PSD. Marco Baptista, com 41 anos, foi candidato pelo PSD à Câmara Municipal da Covilhã nas autárquicas de 1 de outubro de 2017, onde ficou em quarto lugar.

Encontrava-se em parte incerta, sendo suspeito de ter desviado cerca de 120 mil euros.

A Polícia Judiciária encontrava-se a investigar o seu desaparecimento.

Marco Baptista exercia funções de consultor na Rede de Judiarias de Portugal, sediada em Belmonte, de onde terá desviado a quantia de 120 mil euros.

A participação ao Ministério Público foi efetuada pela Direção Regional do Centro.

Marco Baptista terá transferido o dinheiro para as suas contas pessoais, semanas antes ao seu desaparecimento repentino.

Num dos extratos bancários, a que a SIC teve acesso, é possível visualizar uma transferência de 115.640 euros para a conta pessoal de Marco Baptista.
Para além disto, o consultor é também suspeito de falsificação das assinaturas dos presidentes de Castelo de Vide e Belmonte, que igualmente integram a Rede de Judiarias.

No dia em que Marco Baptista deixou de estar contactável, desapareceram da sede da instituição da Rede de Judiarias um computador e o router de acesso à internet.

Só após a resolução da situação é que os funcionários se aperceberam do desvio do dinheiro, quando foram consultar as contas.

A família de Marco Baptista prontificou-se a repor o dinheiro desviado, no entanto, por se tratar de um crime público, será impossível evitar a acusação.

Em Março deste ano, as autoridades localizaram Marco Baptista, que terá saído do país, mas que acabou internado num hospital do interior do país em tratamento psiquiátrico, onde deu entrada em estado de depressão profunda.

Partilha