O dono de ferro-velho arranja cadeiras de rodas enferrujadas e doa a carenciados.
Apesar de ser um equipamento relativamente simples e absolutamente essencial para a autonomia e mobilidade de pessoas com deficiência, as cadeiras de rodas não são baratas. Uma família com dificuldades financeiras que necessita do equipamento precisa batalhar muito para consegui-lo.

Verotides Jorge Teixeira, o ‘Tide’, dono de um ferro velho no Brasil, auxilia pessoas comprando cadeiras de rodas usadas que ele restaura e doa para quem não têm condições de adquiri-las com recursos próprios.

Ele também auxilia essas pessoas de outras formas. “Compro sucata e latas. Hoje em dia está até mais fácil para trabalhar, pois ganho muito material. Agora mesmo estou com um stoque de tinta, graças ao pedido que a minha irmã fez na internet. Trabalho a semana inteira no meu ferro velho e faço este serviço aos fins de semana; quando pinto uma cadeira, leva três, quatro dias para secar. Os vídeos que a gente divulga na internet é para chamar a atenção, por exemplo, de alguma empresa que se interesse em colaborar”, conta.

arranja cadeiras de rodas

Ele faz o trabalho solidário ao lado da filha e da irmã. Eles começaram tal iniciativa muito antes de ganharem qualquer visibilidade nas redes sociais: “Antes de começar a fazer esses vídeos, eu comprava cadeiras que não serviam mais nas sucatas e recuperava. Hoje em dia a gente ganha; agora mesmo fui buscar duas cadeiras sem condições de uso. Elas chegam em estado precário e toda a reforma corre por minha conta. Desmonto ela toda, troco os rolamentos, passo graxa e mando fazer os forros num tapeceiro nosso conhecido”.

O proprietário do ferro velho afirma faz o trabalho solidário por amor, sem qualquer outra pretensão. Aua única preocupação é proporcionar um mínimo de mobilidade a quem enfrenta tantos obstáculos na luta diária para exercer o legítimo direito de ir e vir.

Partilha