André Ventura faltou a debate mas não se inibiu de chamar “cobarde” a Marcelo Rebelo de Sousa. O líder do Chega lamentou ainda que as rádios não tivessem permitido a sua participação no debate matinal por videoconferência.

André Ventura acusou Marcelo de cobardia por preferir a extrema-esquerda aos partidos de direita, pedindo a intervenção do presidente do PSD, Rui Rio.

Em causa esteve o facto de Marcelo Rebelo de Sousa ter assumido num debate a seis promovido pelas principais rádios portuguesas, que exigirá um acordo por escrito se se proporcionar um futuro Governo ou acordo de incidência parlamentar com a participação do partido da extrema-direita parlamentar.

“Palavras de um suposto Presidente de direita, dizer que vai exigir, se o Chega for para o Governo, um acordo escrito com o PSD. Marcelo Rebelo de Sousa não exigiu um acordo escrito ao PS, CDU e BE. Marcelo confia mais na extrema-esquerda do que nos partidos de direita em Portugal”, disse Ventura.

“Um Presidente cobarde! Quando não estou presente, ousa dizer coisas como esta, mas quando foi à televisão, frente-a-frente, disse que não, que o Chega era um partido democrático, com a mesma legitimidade que todos os outros. Hoje, nas costas, diz que vai exigir acordo escrito porque não confia nem em Rui Rio nem em André Ventura”, disse.